Podcast debate caminhos alternativos do livro
 



Notícias sobre Leitura e Escrita

Podcast debate caminhos alternativos do livro

PublishNews


Podcast da semana falou com editoras que encontraram em petshops, lojas de presentes ou farmácias seus parceiros para fazer seus livros chegarem aos leitores

Na virada das décadas de 1910 e 1920, Monteiro Lobato deixou a fazenda de café herdada do avô e se aventurou como autor e depois como editor. Foi exercendo esta segunda figura que ele percebeu que, no Brasil da época, existiam poucas livrarias; nas suas contas algo em torno de 30. Precisava expandir esse número para dar conta do seu audacioso plano de escoar a produção vultosa de exemplares de Urupês e Saci-Pererê: resultado de um inquérito, seus dois primeiros livros.

Foi aí que ele teve uma ideia: colocar livros em estabelecimentos onde tradicionalmente não se vendiam livros: armazéns, farmácias, papelarias etc... Foi dessa constatação que nasceu a famosa carta em que apresentava o livro aos donos desses estabelecimentos: “Trata-se de um artigo comercial como qualquer outro: batata, querosene ou bacalhau”. Deu resultado e, em 1923, Lobato comemorava a venda de 30 mil exemplares de Urupês, um marco importante para a indústria editorial brasileira.

Um século depois, o setor livreiro nacional se desenvolveu. Além das livrarias independentes, redes se tornaram mega-redes, algumas delas desapareceram, outras foram incorporadas, outras parecem viver seu ocaso, enquanto outras crescem, conquistando espaços. A pandemia forçou muitas delas colocarem suas fichas na internet e o comércio varejista de livros se tornou muito mais complexo do que as picadas abertas por Lobato.

Mas, algumas editoras seguem procurando seguir os passos do velho Lobato e buscam caminhos alternativos para escoar a sua produção. Nessa semana, o Podcast do PublishNews recebeu Roberta Faria, diretora executiva da Editora Mol, e Gustavo Guertler, CEO da Belas Letras, que tem conseguido resultados importantes colocando seus livros em locais como petshops, farmácias e lojas de presentes. A estratégia veio, claro, da necessidade de se fazer presente no dia a dia do leitor e assim, conquistar novos leitores.


Para mais informações, clique aqui.


Cadastre-se no portal Escrita Criativa para receber dicas de escrita, artigos e informações de concursos

 

 

Comentários:

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "394402" no campo.