Descalabros
 



Crônicas

Descalabros

Maria Avelina Fuhro Gastal


Escrever não é fácil.

A dificuldade vai além do cuidado com a gramática. Passa pela escolha das palavras, pelo efeito que se busca, pela clareza nas ideias. Nem mesmo a inspiração é o maior problema. O mundo está repleto de situações, imagens, detalhes que rendem histórias, basta enxergarmos além daquilo que os olhos veem.

O nó está na escolha do tema. Na crônica, ele aperta. A maioria espera por um texto curto, leve, melhor, ainda, se divertido. A realidade está difícil. Sabemos por vivê-la, não precisamos ser lembrados das dificuldades ao acessar algo para ler. Chegamos, então, ao maior desafio da escolha, o respeito ao leitor.

O cronista, na maioria das vezes, fala do cotidiano, das vivências. O que escrevo traz a minha visão, mas não deve, jamais, desprezar ninguém. Qualquer profissional deve exercer seu ofício com o máximo de respeito e consideração pelo outro. Você, com certeza, faz isso. Por que, então, o presidente não o faz? Não o elegi, mas ele preside o país em que nasci e vivo e não um clube de tiro formado por homens que precisam afirmar a masculinidade pela agressão, desrespeito e violência. Essas questões Freud já explicou.

Desculpem se hoje não consigo ser leve. Foi muito em poucas horas. Se ver vencedor pela suspensão dos testes da CORONAVAC devido à morte de um voluntário, ameaçar com pólvora (inventada pelos chineses) em vez de fazer do diálogo a arma para avanços, chamar os brasileiros de “maricas” (de novo a fixação já explicada pela psicanálise) pelo temor ao vírus que já matou mais de cento e sessenta mil brasileiros é um descalabro tão imensurável que me impede de escrever algo que não esteja relacionado a isso.

Não se trata de ideologia. Trata-se de humanidade. Homofóbico, rude, grosseiro, é de praxe. Se ver vitorioso em cima da morte de alguém, é abominável.

Calada sou cúmplice. Calados, concordamos. Temos problemas, somos desiguais, racistas, classistas, mas nunca pensei em nós, brasileiros e brasileiras, como bestas desumanas. Não podemos permitir que ele nos torne irascíveis. Nem mesmo aqueles que nele votaram merecem tamanha vergonha.


Cadastre-se no portal Escrita Criativa para receber dicas de escrita, artigos e informações de concursos

 

 

Comentários:

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "382810" no campo.