Primavera
 



Contos

Primavera

Rafaela Bressan




Dentro do meu carro, passando pelas grandiosas árvores da avenida que dá para minha casa, vislumbro as sombras indo e vindo em minhas mãos, aquecendo os dedos presos ao volante. Contemplo os vira-latas bocejando nas ruelas esquecidas pelo sol. Sei que aquela tarde de primavera ficará cravada em minha memória com seu céu de luzes e sombras.

Junto com esta paz, me veio um tremor na espinha, um arrepio tomou conta de todos os meus nervos e abalou toda a minha estrutura. Foi numa dessas tardes que nossos vazios se encontraram, num olhar mágico e passageiro, nos unindo pela eternidade. Num impulso, destes que surgem do ventre e ecoam pela alma, paro em frente à sua casa.

Você está sozinha, à deriva em seu mar de angústia, pronta para marcar em seu corpo mais uma tempestade. Tento puxar-lhe para fora de seus espinhos, mas as lágrimas já não são suficientes para escoar sua aflição. Você só deseja minha compreensão, que eu entenda que apesar do corte ser profundo, ele é inofensivo, e lhe traz a paz que eu havia experimentado segundos atrás.

Relutantemente concordo em vê-la se flagelando. Num movimento rápido e suave, ela traça uma linha precisa entre o meio e a beirada de seu antebraço. Vejo seu rosto ficar leve, ela encosta-se à cama e fecha os olhos, esboçando um tímido sorriso nos lábios. E por alguns gloriosos instantes uma brisa primaveril marca seu semblante.

O sangue, escuro e quente, começa a verter num fluxo lento, pintando seu braço. Sento ao seu lado, pego uma caneta na minha bolsa, seguro o braço ensanguentado e desenho sobre o corte um barco. Ela sorri gentilmente e tomando a caneta da minha mão, desenha em meu pulso uma âncora.

Tudo que fizemos foi relembrar nosso primeiro passeio, quando tomamos sorvete de maracujá sentadas numa muretinha, perto da casa dela. Mureta hoje coberta por uma vasta coroa de cristo, inviabilizando crianças sonhadoras de apreciar à tarde com seu doce favorito. Lembramos caladas daquele tempo, unidas pelo silêncio.

Não voltaremos a ser as crianças tímidas de outrora, e jamais recuperaremos a inocência de anos atrás. Forjamos nossa amizade a ferro e fogo, numa cumplicidade,maior do que qualquer medo ou julgamento. E mesmo quando tempestades se formam em dias belos, nós temos um lugar para nos proteger. E se não fosse por aquela caneta, desenhando, sem repugnância, todo o amor, toda a empatia que um ser humano é capaz de demonstrar a outro, se não fosse a lembrança vívida do momento que nosso olhares se cruzaram e a irmandade cósmica que nos uniu, se não fosse por aquela amizade, eu teria perdido para a dor a irmã que nunca tive. Depois daquela tarde ela jamais precisou do êxtase que os cortes profundos no braço lhe causavam, ela entendeu enfim que existia alguém que a compreendia, e isso já lhe bastava.


Cadastre-se no portal Escrita Criativa para receber dicas de escrita, artigos e informações de concursos

 

 

Comentários:

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "411301" no campo.