Redução de danos na educação

por Geni Oliveira

Atualmente, fala-se muito em redução de danos. A minha proposta pode, a princípio, parecer polêmica, mas é resultado de observações feitas durante mais de trinta anos de atividades na área da educação, da participação em inúmeros cursos e seminários e da autocrítica. Talvez o profissional que mais cause danos no exercício da profissão, voluntária ou involuntariamente, seja o professor. Os motivos são vários: inexperiência, irresponsabilidade, falta de motivação, de comprometimento com a educação, pressões do próprio sistema, alienação... Alguns danos são irreversíveis e tão sutis que a própria vítima não é capaz de detectar. Sente-se, muitas vezes, responsável pelo ocorrido julgando-se menos inteligente, menos capaz, um zero à esquerda.

Quantas vezes contribuímos para baixar a autoestima dos nossos alunos? Quantas vezes nos vingamos deles por não sermos capazes de resolver nossos próprios conflitos? Quantas vezes ignoramos um olhar aflito, um pedido de socorro?

A minha proposta é causarmos o mínimo de danos na medida do possível. A regra de trânsito "na dúvida, não ultrapasse" deveria servir para nós, professores. Quando estivermos com muita raiva (afinal, somos humanos), sugiro sairmos de cena para refletir melhor. Quando não soubermos o que fazer, buscar ajuda com outros profissionais e não tentar resolver tudo como se fôssemos semideuses.

Às vezes, o aluno precisa apenas de um olhar de cumplicidade, de um gesto de carinho e não de um sermão. Não considero a adolescência desculpa para atitudes irresponsáveis, mas uma etapa da vida em que a instabilidade supera a própria razão.

Enfim, a minha sugestão é que respeitemos o aluno nos seus limites e descubramos as suas potencialidades para que se torne uma pessoa íntegra, responsável e que se lembre de nós, ao longo da vida, como alguém que realmente se importou com ele.

 

 

Comentários:

Tuas opiniões refletem uma boa experiência como professora, elas são lúcidas e honestas.

Maria Rosa Fontebasso, P. alegre 31/05/2019 - 10:44

Muito bom texto. Uma antevisão do resultado atual. Alguns fizeram de conta que ensinaram. Outros que pagaram por isso.E estudantes mal orientados, hoje elegem o destruidor da educação de uma forma possivelmente irreversível para algumas gerações. O tal ovo da serpente.

MARCOS PERINI, Porto Alegre 07/05/2019 - 07:48

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "280801" no campo.
  

 

Voltar