A Senhora da Van

por Jacira Fagundes

“A Senhora da Van” é o filme que assisti na Netflix num dia desses. Não se trata de algo extraordinário da indústria cinematográfica. Desconfio mesmo não ter tido grande público. Digamos que é uma película mediana, com atores igualmente em desempenho mediano, com cenários praticamente limitados a uma rua e seus moradores. Por aí.

O que então me fez destacar o filme a ponto de deixar aqui minhas impressões? Foi o tema e a abordagem que ele desenvolve. “A Senhora da Van” é uma obra mais do que cinematográfica; é uma obra literária em processo.

Explico. Começando pelo narrador. Na tela (ou melhor, na telinha da TV), o mesmo narrador lado a lado com seu duplo – roupas idênticas – conversa. Ou ambos conversam a respeito da história que vai sendo construída na figura da velha que tem por morada uma van. Assim ambos vão revelando-se ao espectador no duplo papel, desfazendo qualquer confusão inicial – um olha, o outro escreve. Cumprem os papéis de interagir com o mundo lá fora e, ao mesmo tempo, de criar a história a partir deste olha/escreve dentro da linguagem do cinema.

Na van, a senhora acomoda como dá toda a sorte de tralhas. Trapos, roupas, cobertas, comida. Ali vive, ali dorme, ali come, usando a calçada em volta do lugar onde estaciona sua velha van, ora frente a um prédio, ora frente a outro, dependendo da acolhida dos moradores donos da rua. É idosa, pobre, feia e suja. E cheira mal. Com tristeza, compartilhamos esta realidade em nosso cotidiano. Nada novo, portanto.

Na sequência, o narrador Sr. Bennet – seu único amigo – atua não só como o escritor, é também teatrólogo e ator.

Não escapa da nossa experiência de escritores, este arranjo de papéis que o filme apresenta. É o que fazemos diuturnamente enquanto atuamos na solidão da criação literária.

O filme, numa última análise, vem mostrar a dualidade de referências indissolúveis para o ato da escrita: a rua, o mundo e a realidade de um lado e o imaginário, a criação e o mundo ficcional do outro lado. Duas visões que se interpõem. Saber transferir com verdades e mentiras tudo isto em palavras para um livro, é o que pode garantir um texto de qualidade superior.

Deixo de trazer outros detalhes que o cinema apresenta e que o espectador poderá conferir. Talvez o filme não seja tão tentador para os cinéfilos. Porém, para os escritores, com certeza!

 

 

Comentários:

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "440204" no campo.
  

 

Voltar