O que é e qual a importância da Contação de histórias: entrevista com Celso Sisto
 



Dica de Escrita

O que é e qual a importância da Contação de histórias: entrevista com Celso Sisto

entrevista com Celso Sisto


A contação de histórias é uma arte que vem ganhando novos significados ao longo da história, mas sempre com a missão de agregar, somar e transformar a vida de quem conta as histórias e de quem as ouve. O ser humano conta histórias desde que começou a desenvolver suas habilidades de comunicação e de fala. Antes mesmo de ser considerada uma arte e uma profissão, a contação de histórias sempre proporcionou momentos de trocas de informações, conhecimentos, experiências, valores morais e sociais, além de unir as pessoas em torno de um motivo comum. Poderíamos escrever um livro ou vários sobre o papel e sobre a importância da contação de histórias desde os primórdios até os dias atuais, mas neste artigo vamos focar em uma entrevista muito especial que fizemos com um contador de histórias completamente apaixonado pelo ofício, Celso Sisto.



Celso Sisto é escritor, ilustrador, contador de histórias há mais de 20 anos, fundador do grupo Morandubetá de Contadores de Histórias (RJ), viaja pelo país e pelo exterior ministrando oficinas e palestras sobre a arte de contar histórias, a formação do leitor, literatura infantil brasileira, o conto popular africano, entre outros. Ator, arte-educador, Especialista em Literatura Infantil e Juvenil (UFRJ), Mestre em Literatura Brasileira (UFSC), Doutor em Teoria da Literatura (PUC-RS), Pós-Doutor em Educação (UFRGS) e responsável pela formação de inúmeros grupos de contadores de histórias espalhados pelo país. Tem mais de 80 livros publicados para crianças e jovens e já recebeu vários prêmios pela qualidade das suas obras. É professor de narrativas curtas na Metamorfose Cursos e escreve regularmente colunas de crítica literária sobre livros infantis e juvenis para revistas e portais da internet.

Confira a entrevista na íntegra:

Celso, como foi a escolha pela literatura infanto juvenil? Conta um pouco sobre os principais acontecimentos e pessoas que te levaram para esse caminho.

Tenho dúvidas se fui eu que escolhi a literatura infantil ou juvenil ou se foi ela que me escolheu. Uma das coisas que percebo que é muito forte é que meu espírito é um espírito de criança, jovem, alegre, pra cima, tudo o que diz respeito à infância me interessa. Eu tive uma infância muito legal, de criança criada no Rio de Janeiro, de brincar na rua, de soltar pipa, de andar de bicicleta, enfim, de ir às casas das avós, que eram verdadeiros parques de diversões, cercadas de primos, então, eu tive uma infância muito positiva, o que acabou me levando a ter o interesse de produzir arte pra essa faixa de público que são as crianças.

Mas, de fato, eu só me interesse pela literatura infantil e juvenil como campo profissional quando eu já estava formado em Artes Cênicas. Paralelo a isso, cursei a faculdade de Letras, mas eu sempre quis ser ator. Quando terminei o Bacharelado em Interpretação, Licenciatura em Artes Cênicas, fui cursar uma especialização em literatura infantil e juvenil porque eu estava interessado em escrever dramaturgia para crianças. Nesse curso, conheci a professora Eliana Yunes, que era diretora do centro de documentação e pesquisa da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, e que me chamou para trabalhar lá. Então, fui para essa fundação, que era praticamente um depósito legal de tudo o que se publicava de literatura infantil e juvenil no Brasil. Sou carioca, mas moro no Rio Grande do Sul há mais de 20 anos.

Aí, nessa fundação, a minha paixão só se aprofundou. Tive contato com a produção nessa área, com produção contemporânea, com os autores que estavam escrevendo para criança, a qualidade dos textos, o casamento entre texto e imagem, enfim, foi o lugar em que eu mais aprendi coisas na minha vida e, nessa fundação, eu tive a possibilidade de extrapolar isso, de abrir outros caminhos também. Mas principalmente a qualidade dos livros e desses primeiros autores que caíram nas minhas mãos foi fundamental para solidificar esse caminho. Marina Colasanti, que escrevia pra crianças, Bartolomeu Campos Queiroz, que era um autor mineiro que eu não conhecia. Isso tudo nos anos 90 ainda. A Ângela Lago também, uma outra escritora mineira que foi objeto da minha pesquisa de mestrado, enfim, a qualidade dessa literatura foi o que me levou cada vez mais para dentro deste caminho.

Há mais de 20 anos, a contação de histórias entrou na tua vida. Como aconteceu e o que este ofício representa para ti?

Também foi lá pelos anos 90, há mais de 30 anos, que comecei a exercer esse ofício de contar histórias e de formar novos contadores de histórias, o que tem sido uma função minha desde o princípio. Atualmente, atuo em duas pós-graduações pelo Brasil afora, uma em Brasília e uma em Belém do Pará, especificamente de contação de histórias, além de uma especialização em literatura infantil e juvenil da Cândido Mendes do Rio de Janeiro, em que a minha disciplina é contação de histórias. Participo também de outros cursos e oficinas que envolvem contação de histórias e literatura infantil e juvenil.

A contação de histórias entrou na minha vida por causa do teatro. Quando fui trabalhar na Fundação Nacional, descobri que existia um grupo de contadores de histórias venezuelano que tinha vindo ao Brasil naquela época para ministrar uma oficina de contadores de histórias. Até então, eu não sabia da existência desse trabalho, vi o que era isso e fiquei alucinado porque era a oportunidade de juntar o meu lado e minha formação de ator com minha paixão pela literatura. Então, contar histórias era exatamente isso, juntar esse exercício do ator com a paixão pela literatura. E, assim, comecei a contar histórias na Fundação Nacional. Criamos um grupo lá e, mesmo depois de termos saído da Fundação, o grupo continua existindo até hoje, embora cada um esteja em um lugar. Eventualmente nos encontramos para fazer eventos e sessões de contação de histórias juntos. É o Grupo Morandubetá, de origem Tupi Guarani (moranduba significa histórias e etá significa várias, muitas). Então, foi através desse exercício de contar histórias com esse grupo do qual fui um dos fundadores, que eu comecei esse trabalho de contar histórias.

O que isso representa para mim? Tudo, porque toda a minha vida se organizou, tudo entrou nos eixos ou seguiu o seu rumo a partir desse trabalho de contação de histórias. Acabei indo trabalhar como professor de literatura para crianças numa escola privada do Rio de Janeiro. Foi muito importante porque eu pude exercitar esse meu lado de professor, ter esse convívio com as crianças, aprender muito com elas e começar a escrever os meus próprios textos para este público.

Então, foi através de exercício de contar histórias com esse grupo, que na época estava só começando e que depois se profissionalizou e acabou formando outros contadores de histórias, que eu pude exercer o magistério, apesar de que eu já era professor de escola pública no Rio e também de artes cênicas. Comecei a dar aulas de literatura para crianças no ensino fundamental, a me aventurar a escrever histórias para elas e descobri que a literatura poderia ser o suporte para uma série de linguagens artísticas, debates e diálogos que têm a ver com a contemporaneidade, com o meu tempo, com estar no mundo, com defender as causas nas quais acredito, as causas sociais e as causas estéticas também, porque o meu trabalho sempre foi voltado para a arte, para a minha formação como artista de certa forma.

Nos últimos anos, principalmente após a pandemia de 2020/2021, a contação de histórias ganhou uma repercussão ainda mais importante. Quais os benefícios das histórias contadas para as crianças e jovens, na tua opinião?

São tantos os benefícios. O contar histórias para mim funciona como uma mediação na formação do leitor. Se eu faço um uma sessão ou um espetáculo de histórias e se os meus ouvintes saem dali com vontade de ler o livro, de buscá-lo na livraria ou na biblioteca, de pedir para os pais recontarem a história, ou contarem para seus irmãos ou para outras pessoas, eu já estou feliz da vida.

O primeiro benefício é esse, de estimular o surgimento ou o amadurecimento desse leitor. Fora isso, o contar histórias ajuda no uso da linguagem, quanto mais você usa a oralidade, quanto mais exercita o seu discurso, mais você vai aprendendo a fazer isso diante de uma plateia, de um público, aprende a organizar suas ideias, a defender seus direitos. Quanto mais leitor, quanto mais crítico você vai se tornando, quanto mais adquire informações e conhecimento, mais crítico do seu mundo você se torna. Então, esse leitor estimulado também pela contação de histórias vai passando de um leitor absolutamente informal e leigo para um leitor crítico. E, com isso, ele vira cidadão, ele aprende a defender seus pensamentos, a lutar pelos seus desejos, a sonhar com possibilidades de ascensão e de melhoria do mundo.

Fora que o convívio com as linguagens artísticas permite você viver outras vidas, se descobrir através dos personagens. Esse exercício de projeção é também um exercício psicológico e necessário. As crianças brincam de faz de conta. Quando a gente lê histórias e bons livros, a gente brinca de faz de conta a vida inteira. Então, o contato com a literatura e com boas histórias permite isso, que você, sobretudo, mantenha seu imaginário ativo, criativo. Ser criativo é tudo pra mim nesse mundo. O convívio com as histórias estimula a imaginação, a criação, encontrar a solução para as coisas da nossa vida, do mundo, afinal de contas, uma narrativa se organiza através do conflito e o conflito se dá por meio do embate das pessoas, dos desejos delas. E isso também é um aprendizado, embora não formal, aprender a ser gente é uma das coisas mais bonitas das linguagens artísticas, da literatura e da contação de histórias.

Pela tua biografia, a gente nota que tu és uma pessoa que explora ao máximo teus dons artísticos, tanto na literatura como nas artes em geral, além de exercer a nobre missão de ensinar. Como você equilibra todas essas atividades na tua rotina? Qualquer dica de produtividade é bem-vinda.

Como equilibrar todas essas frentes de trabalho nas quais eu atuo? Celso escritor, Celso ilustrador e artista visual, Celso professor, Celso contador de histórias? É preciso uma grande disciplina. Eu sou um sujeito muito disciplinado e estudioso. Nunca parei de estudar. Fiz especialização, mestrado, doutorado, pós-doutorado. A literatura foi sempre o pano de fundo de todas as minhas atividades. Então, existe um eixo central que organiza toda a minha vida e a minha história. Se estou fazendo um trabalho como artista visual, tenho sempre a literatura como núcleo e ponto de partida. Assim acontece como contador de histórias, porque são nos livros que vou buscar as histórias que eu conto.

Sou professor de literatura e também de artes visuais, que é a minha formação mais recente. Quando eu já tinha terminado o doutorado e estava fazendo meu estágio de pós-doutorado, entrei na faculdade de novo, com 50 anos (tenho 60 anos agora). Me graduei em artes visuais porque é uma das minhas grandes paixões. Então, meu trabalho de artista visual também tem como núcleo a literatura. Vou dar um exemplo. Eu coordeno hoje três clubes. O Bordelê, um clube de bordado e leitura; o Assemblantes, um clube de experiência de produção tridimensional e leitura; e o Carretel de Nuvem, um clube de produção têxtil e leitura. No Bordelê, trabalho com pessoas interessadas em bordado, mas bordamos e eu proponho as atividades sempre a partir de um livro. A gente trabalha um livro por mês, discute esse livro e as propostas de produção artística com o bordado são com a literatura. No grupo Assemblantes, trabalho com essa criação tridimensional, escultura de parede dentro de caixas, de gavetas, de quadrados, retângulos fechados, com sucata, enfim. Criamos essas obras que são chamadas de assemblages. Essa colagem de materiais tridimensionais também acontece a partir de um livro de literatura. A cada mês, a gente produz um trabalho e usa um livro. E no Carretel de Nuvem, que é um grupo de produção têxtil, entra tudo o que diz respeito a tecido e fibra. Além do bordado, podem entrar macramê, crochê, tricô, tapeçaria, fibras para criar fios, lãs, sempre a partir de um livro. Os participantes escolhem um conto, um poema ou um trecho de um romance para criar a sua obra.

Enfim, a literatura organiza tudo isso na minha vida. Às vezes, as pessoas me perguntam impressionadas como eu faço para dar conta de tudo, se meu dia tem 72 horas. Eu respondo que eu preciso estar nesse movimento, sou muito dinâmico, preciso estar produzindo para produzir mais. Sei que é uma loucura fazer tantas coisas ao mesmo tempo, mas eu não deixo de ser extremamente exigente com a qualidade do meu trabalho e dos meus alunos. Esses clubes são clubes de leitura, não são aulas. Não ensino ninguém a bordar, a ser um artista da escultura ou um artista têxtil. O que eu faço são propostas de trabalho e as pessoas atuam com a habilidade, com o conhecimento que elas têm ou vão atrás de novos conhecimentos que eu indico. Fora isso, dou aulas de escrita criativa, tenho uma oficina de escrita criativa para quem quer escrever para criança e continuo com o trabalho de formação de contadores de histórias. Atualmente, faço assessoria individual para contadores de histórias que ensaiam comigo, que aumentam o seu repertório e são preparados por mim.

Para equilibrar tudo isso, é preciso organização, disciplina e tem um detalhe, eu sou um sujeito que não gosta muito de dormir. Isso me dá algumas horas a mais. Faço tudo isso com a maior paixão do mundo, o que também é fundamental. Se eu tivesse que fazer essas coisas todas por obrigação, com certeza eu não faria.

Uma dica que eu teria para começar a produzir é não deixar as ideias passarem, é ter um caderno para anotar ideias, desejos, pensamentos. Eu sou o cara dos cadernos! Um caderno para ideias literárias, um para ideias têxteis, um para as minhas ideias de oficina, ou seja, vou sempre registrando as ideias nesses cadernos. Outra dica é não procrastinar seus planos, não ficar só no campo das ideias. Se você quer fazer, você precisa começar de alguma forma, botar a mão na massa.

Considerando a tua carreira, a criatividade faz parte da tua vida. Como você lida com ela? Tem alguma dica ou técnica para compartilhar?

Como sempre fui desde criança um sujeito muito elétrico, levado, aprontador, tudo o que acontecia de confusão nas festas e reuniões familiares, gritavam sempre primeiro o meu nome porque sabiam que eu estava envolvido. Consegui trazer essa paixão e essa dinâmica ao longo da minha vida exatamente por isso, porque eu faço as coisas que eu gosto e que eu tenho paixão.

Exercitar a criatividade é fundamental. Para mim, criatividade é descobrir maneiras diferentes de fazer as coisas. Como sempre falo aos meus alunos de escrita criativa, histórias mais do mesmo a gente não precisa e não quer. Então, se você vai contar uma história de amor, você tem que encontrar algo diferente, inusitado, surpreendente para mostrar às pessoas. Porque se for para contar a mesma história que já foi contada lá em Romeu e Julieta, dificilmente alguém vai preferir a sua à história de Shakespeare.

Criatividade é uma maneira de estar no mundo, é descobrir um caminho pessoal e autoral para fazer as coisas. Se você notou que está indo por um caminho comum, repense e retome o seu trabalho com um foco diferente que ainda não foi explorado para, assim, subverter o esperado. Criatividade é isso, é impactar as pessoas através de alguma coisa que elas não estavam esperando. Procuro fazer isso em tudo na vida, desde ações menores do dia a dia como cozinhar, até um trabalho.

Estou sempre buscando uma maneira pessoal e criativa de responder ao mundo e ao meu entorno. Não é repetir fórmulas, receitas ou qualquer outra coisa, é encontrar o seu jeito de fazer as coisas. Isso é fundamental para viver nesse mundo e viver hoje no século XXI. Inclusive nos textos que escrevo, na forma de contar, de ilustrar. Gosto de trabalhar com arte têxtil para ilustrar. São caminhos pouco explorados. Por exemplo, eu não uso computador ou aquelas canetas que desenham direto na tela. Gosto dessa coisa manual, de colocar o artesanal para funcionar. Para mim, a criatividade passa por isso também, por esse embate corporal, o corpo precisa estar envolvido nessa criatividade.

Ao contar uma história através da fala, você coloca automaticamente seu estado de espírito nela. Você concorda com essa afirmação? Se sim, como você trabalha o seu humor e sua energia para que a história tenha a vibração ideal (alegre ou triste)?

Eu não costumo usar essa expressão “estado de espírito” para um contador de histórias. Porque eu parto do princípio que contar histórias é uma troca de emoções. Um contador de histórias tem que estar preparado para ser um instrumento da história que ele conta e usar a sua emoção a favor da história, não importa o “estado de espírito” dele. Se ele não estiver bem, é melhor ele nem contar a história, nem ir para esse diálogo com o público.

O contador de histórias precisa ter sim trabalhado, estudado a história para que a emoção dele flua de uma maneira necessária para colorir e abrilhantar a história que ele conta. A história não tem só uma emoção, ela pode ter uma gama de emoções. Por exemplo, ela pode começar com um clima meio tristonho, passar por uma ação de aventura, ter um romantismo lá perto do ápice e terminar de uma forma alegre. Então, contar histórias é lidar sempre com essas emoções e, mais do que isso, é conjugar um monte de emoções, usar a emoção que a história pede da melhor maneira possível, é usar a sua emoção em relação ao público que está ali ouvindo, é lidar com a emoção do público em relação àquilo que você está fazendo. Para eu lidar com tudo isso, preciso me concentrar na história que estou contando, esquecer um pouco da minha vida, porque naquele momento eu sou um instrumento da história que estou contando. Então, exercícios de relaxamento e concentração antes de contar a história são fundamentais para o contador de histórias.


Cadastre-se no portal Escrita Criativa para receber dicas de escrita, artigos e informações de concursos

 

 

Comentários:

Que lindeza a experiência do professor Celso!
Referência importantíssima na minha formação inicial. Esse baita profissional deve ter uns 20 hologramas pra dar conta de tanta genialidade hahahaa. Sucesso! Que sejamos sempre agraciados com tuas histórias!

Cátia Cilene Diogo Goulart, VIDEIRA/SC 18/10/2021 - 08:58

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "543201" no campo.