Amor nos tempos de Covid
 



Crônicas

Amor nos tempos de Covid

Rachel Baccarini


Aplicativos de matching , ou sites de paquera, como Tinder e OkCupid são dos mais acessados no mundo. Sua clientela é constituída por milhões de pessoas procurando diversão, amizade, uma noite de sexo ou até um companheiro ou companheira para a vida toda. O critério pessoal de escolha dos pares é geralmente atração física. Após horas, ou até alguns minutos de conversa online, o encontro real pode acontecer; entre pessoas do mesmo sexo, sexo oposto, idades próximas ou muito diferentes, não importa, desde que haja a esperança de “curtir o momento” e fugir da solidão, o grande bicho-papão.

Com a chegada da epidemia, muitos podem supor que esses aplicativos sofreram sério revés e perderam muitos clientes, desde que encontros físicos se tornaram um caminho certo para a transmissão do vírus que tem levado milhões aos hospitais e ao óbito.

Na verdade, não é bem assim como tem acontecido. Segundo o CEO do Tinder, o coronavírus teve um efeito “dramático” na forma como as pessoas usam o aplicativo. Apesar de ter ocorrido uma queda temporária na receita pela diminuição dos usuários pagantes devido à epidemia, o número de usuários total cresceu. Em 29 de março, ocorreram 3 bilhões de matches no mundo todo, o máximo que o aplicativo já registrou em um único dia. As conversas diárias ao redor do mundo cresceram em 20%.

Encontros por vídeochamada, que antes tinham baixa adesão, passaram a ter maior utilização. E com este recurso, as conversas tornaram-se 25% mais longas que antes da epidemia. Segundo o CEO do Happn, um dos mais usados pelos brasileiros, as novas conexões virtuais passaram a exercer o papel de alívio ao isolamento, à solidão e ao distanciamento social. “Os usuários estão mais propensos a se conhecerem melhor, o que pode significar relacionamentos mais sensíveis e profundos”.

E agora, qual será o futuro dos relacionamentos no mundo pós Covid? Impossível prever com certeza, mas algumas mudanças provocadas pela epidemia vieram para ficar. No que se refere a relacionamentos, a profundidade e relevância pouco dependem do contato físico direto. Este pode até ser uma razão para desentendimentos e abusos, no mundo onde uma minoria é capaz de conviver com o outro sem a intenção de se impor e possuir. Um retorno ao movimento lento de aproximação, às conversas preliminares mais profundas e sinceras na busca do ser humano pelo que ele é de fato, e não o culto à beleza física estereotipada que tem prevalecido nas últimas décadas, pode ser bem-vindo. Uma oportunidade também para nos conhecermos melhor.

Afinal, nossa solidão, que hoje foi exposta pela epidemia do Covid, é tão antiga quanto a raça humana e foi se acentuando furtivamente conforme as cidades foram crescendo, as distancias diminuindo, e as conexões pela web proliferando, porque nunca aprendemos o mais importante: conectar e conviver com a gente mesmo.


Rachel Baccarini é médica e escritora, mora em Belo Horizonte, trabalha na organização Médicos sem Fronteiras desde 2017. Começou a escrever contos e crônicas em 2017 para seu blog www.segredosdaostra.blogspot.com. Participa do Curso Livre de Formação de Escritores.


Cadastre-se no portal Escrita Criativa para receber dicas de escrita, artigos e informações de concursos

 

 

Comentários:

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "292310" no campo.