Café da manhã
 



Contos

Café da manhã

Marciro N. C. Mendes


O sinal ficou vermelho e ele aproveitou para ir de carro em carro com a mão estendida. Fez isso umas duas vezes até que recebeu alguns trocados. Agradeceu e se encaminhou para a banquinha.

- Quanto é o salgado?

- Quatro reais - Respondeu a moça da banquinha.

Ele olhou para as moedas na mão.

- O que compro com três reais?

A atendente mexeu a boca desenhando algo que parecia um sorriso, mas antes que respondesse, o homem voltou a perguntar:

- Dá pra eu comprar um pão com ovo e café?

- Dá pro café e um pão com manteiga, senhor.

Ele coçou a barba e colocou o dinheiro no balcão.

- Capricha na manteiga, moça.

Sentou-se longe, no chão mesmo, junto a um poste. Mergulhou o pão no café, depois comeu o primeiro pedaço. Um cachorro se aproximou balançando o rabo com alguma timidez. O homem voltou a molhar o pão no café e, quando o levava à boca, uma moça tropeçou nele. Caíram o pão, o copo de café e a moça. O homem ainda tentou apanhar o seu lanche, mas o cachorro foi mais rápido. A garota se levantou, recolheu os livros que trazia e se foi.

O homem ficou parado um tempo. Depois levantou-se e voltou a estender a mão para os carros.


Marciro N. C. Mendes nasceu em 1981. Licenciou-se em história pela Universidade Federal do Ceará - UFC. É membro cofundador da Comunidade Permacultural Gaia Viva. Policial militar desde 2009, mergulhou em conflitos sociais que transformaram sua visão de mundo. A escrita, antes um hobby, passou a ser levada mais a sério. Em busca de aprimoramento tornou-se aluno da Oficina de Criação Literária da Metamorfose em 2020. Participa do Oficina de Criação Literária.


Cadastre-se para receber dicas, artigos e informações de concursos

 

 

Comentários:

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "055510" no campo.