Casa Vazia
 



Poesias

Casa Vazia

Ricardo Souto Souza


A placa anuncia a casa vazia
E um telefone, quem vende tem nome
Viria com a lábia, mirando negócios
Mas boas memórias não permitem sócios

Entra na casa, há muito fechada
Deve ser crime, a porta forçada
É fim de tarde, a luz não acende
Afasta a mão do interruptor na parede

No corredor, onde a bola rolava
Pelo avô jogador? Não! Pela avó meio eslava
Ontem primos brincavam, hoje o nada
Lembrou nas pessoas, a alma da casa

Quantos aniversários, quantos almoços
Ele quase escuta risadas, alvoroço
Bem na sala onde o velho, seu ciclo encerrou
Diante do choro, a vida apagou

Vai à cozinha, ali conheceu
Na aurora da existência, o café que bebeu
Tarde da noite, até bifes comia
Porque vó é vó, não é mãe e não é tia

No pátio onde a bicicleta rodou certa vez
Um silêncio morto, abraça ninguém
Lá no quartinho, ferrugem já não há
O cubículo, deserto, pôde piorar

É hora de partir, passa ao quarto
Quando lá dormiu, era universitário
Contemplando as marcas do parquet antigo
Ali foi jovem, mas antes menino

Então de repente, o escuro abraça
Um vento gelado, assopra da porta
Sabe que a lembrança é lugar indomado
Janelas cerradas não sepultam o passado


***

Ricardo Souto Souza é graduado em Direito e História. No ano de 2020, buscando ferramentas para a escrita ficcional, decidiu cursar a Oficina de Criação Literária do Professor Marcelo Spalding. É morador da Praia do Cassino.


Cadastre-se no portal Escrita Criativa para receber dicas de escrita, artigos e informações de concursos

 

 

Comentários:

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "060907" no campo.