Poesias

Excelentíssimo Palhaço

Viviane Bezeril


Excelentíssimo Palhaço
Mestre dos meus mares ressecados
Sobrevivente no pico do poste
Deste meu picadeiro particular
Venho por esta informar
O fim de seu papel prosaico
Perverso
Polivitamínico
Nessa história há tempos bem mal contada
E seus restos recicláveis
Catados um a um
Sem deixar faltar qualquer pedaço
Na minha colcha de retalhos
Costurada a mãos trêmulas
Remendando nossa estória amorosa
Indigesta
Neurótica
Flambada
Ao som dos meus gritos
Escondidos entre os seus travesseiros
Para ocultar de terceiros
Tanta animalidade humana
Oh! Oh!
Espantoso seria se não esperasse obscenidades de sua parte
Dear clown
Chèr con
E digo mais
O circo continua viagem
Em direção a outras paragens
Perdições
Dúvidas
Realidades
Sou bailarina de ponta
Sigo a música
E sou eclética
Danço todos os acordes
Do Hard Core ao Clássico
E você sabe
Palhaço
Seu destino é fingir felicidade
Sorrir pra fora
Enquanto chora por dentro
E eu não sei viver
De mentira
De menos
De merda
Por isso, Palhaço
Vou ficando por aqui
E me despeço de ti

***

Viviane Bezeril é carioca, trabalha no Sesc-Departamento Nacional no setor de Mídia e Comunicação, e é bacharel em Ciências Sociais e Políticas pela PUC-RJ, com formação técnica em Artes Cênicas (Atriz). Lançará uma publicação com poemas de sua autoria na Bienal do Livro (RJ) em 02 de setembro de 2019.

 

 

 

Comentários:

O poema se lança de ponta ao sentimento de quem o lê; o atingindo leitor vibra com a força do poema e sua metáfora de despedida do amor infortuno ao palhaço. (José Maria Bezerril).

Que belo poema, me sensibilizou muito! Parabéns !
(Edineusa Bezerril)

José Maria Bezerril, Rio de janeiro/RJ 17/07/2019 - 18:25

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "570803" no campo.