Indiferença
 



Contos

Indiferença

Valécius Passos




No jantar diário só se ouvia o tilintar de garfos e facas.

Como capim, começou a crescer um muro, a partir do chão, bem no meio da mesa. Todo dia brotava um novo tijolo. A argamassa precisava de silêncio para preencher os labirintos que se formavam geometricamente entre as peças.

Assim o muro foi crescendo.

Chegou à altura da mesa e ninguém deu conta. Passou do nível dos rostos e não se notou sua presença. Subiu até quase o teto. Quando ficou escuro para um lado ele acendeu uma lamparina.

Até que o último tijolo, hermeticamente, fechou o derradeiro suspiro de convivência, enquanto ele se servia de arroz e ela abocanhava uma asa de frango.


Cadastre-se no portal Escrita Criativa para receber dicas de escrita, artigos e informações de concursos

 

 

Comentários:

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "444702" no campo.